As aventuras de um ‘caçador’ de DVDs

David de Lúcio, 29 anos, começou a colecionar DVDs em 2005. Inicialmente, comprava as edições simples até que passou a ter ‘visão’ de colecionador e, com isso, buscar edições especiais, as quais enfeitam a sala de sua casa.
Ele não possui player para Blu-ray, mas aos poucos está adquirindo filmes em alta definição, e destacou que guarda todas as notas fiscais para saber onde comprou e quanto pagou.
Além de contar as peripécias em busca dos filmes e edições especiais, Lúcio destacou os tipos de embalagens mais e menos apreciadas por colecionadores. Confira a entrevista concedida sobre os seus objetos de adoração.

01

David de Lúcio e a nave Enterprise, do filme Star Trek (2009), em edição especial como porta-filme (Foto: Charles Antunes)

Koleções: Você chegou a colecionar filmes em VHS?

David: Minha mãe comprava muitos filmes em VHS como o Rei Leão (1994), da Disney. Tive vários títulos que ainda nem saíram em DVD, mas como eu sempre gostei de filmes comprava fitas virgens e gravava da TV. Um que gravei foi Top Gun (1986), entre outros típicos de Sessão da Tarde.

Koleções: Quais os critérios para a compra de um filme?
David:
Eu preciso gostar do filme. Outro critério analisado é a qualidade da edição. Um exemplo é o DVD do Pulp Fiction – Tempo de Violência (1994): filme maravilhoso, porém comercializado com capa preta e disco simples, não tem extras e nem luva (capa de papelão que cobre a capa plástica), mas eu gostei do filme e por isso comprei.
O DVD é uma mídia que permite a gravação de making of, entrevistas com atores, produtores, além do comentário do diretor, ou seja, não é como o VHS que você, basicamente, selecionava play e pause. O DVD proporciona maior interação.
Um exemplo contrário é o Predador. Nunca tinha assistido aos filmes e não sabia se gostaria das histórias, mas soube da existência da “cabeça”, que não passa de um ‘porta-filme’ dos longas Predador (1987), Predador 2 (1990) e Alien vs. Predador (2004). Foram fabricados apenas 135 bustos do Predador no Brasil, e o meu é o de número 66.

Conheça a saga da compra da cabeça do Predador:

Koleções: Você possui algum seriado antigo?
David:
Tenho a primeira temporada de Mulher Maravilha, com a atriz Lynda Carter, o que é difícil de encontrar. McGyver, por exemplo, lembro bem pouco e tenho medo de comprar e me decepcionar. Tem filmes que eu gostava quando criança, mas hoje os acho ridículos. Ben Hur (1959) e E o Vento Levou (1939) são filmes que sempre assisto e gosto. Eu adorava Fuga de Nova Iorque (1981) com o Kurt Russel, o qual a capa tem uma foto fantástica, porém quando revi  achei o filme tolo.

Koleções: Entre os vários títulos, você tem o DVD Fifa Futebol. Há interesse pelo documentário 23 Anos em 7 Segundos, afinal você torce para o Corinthians?
David:
Pretendo adquirir, sim. Comprei alguns de música: Marvin Gaye, Djavan, Pitty, entre outros. Mas, meu foco é filme. Estou esperando o DVD do Corinthians custar em torno de 12 reais. (risos)
Eu quero ter, pois é o meu time. Entretanto, se chegar ao mercado alguma edição caprichada como o do Grease (1978), com a jaquetinha de couro, o filme do Corinthians ficará em segundo plano.

Koleções: Existe algum item raro ou sonho de consumo?
David:
A cabeça do Alien e a do Exterminador do Futuro 2, com sons do filme. Tenho, também, o sonho de comprar o Castelo de Hogwarts, do Harry Potter, todo em vinil com os DVDs em um compartimento envolto em caixa de acrílico.
Imagine o Alien e o Predador lado a lado na estante!? (risos)

alien

Cabeça do Alien com os discos (Foto: Divulgação)

hogwarts

Castelo de Hogwarts, da saga Harry Potter (Foto: Divulgação)

Koleções: Você já vendeu algum DVD?
David:
Não. Nunca, e não pretendo vender! (risos)

Koleções: Qual é o seu Top 5 de séries de TV?
David:

Lost
Heroes
Dawson’s Creek
24
House

Koleções: Você acompanha spoilers de Lost? Já postou algum?
David:
Acompanho spoilers de Lost, mas nunca postei nenhum palpite.
Eu tenho medo de me decepcionar com o desfecho da série, mas acredito que seja o receio de todos os fãs de Lost. Uma ilha tropical com urso polar; “o fumaça preta” – até hoje não explicaram essas coisas.
Os produtores disseram que tudo terá explicação, mas alguns podem ficar decepcionados, afinal Lost é uma ilha misteriosa. A história é envolvente, conta com ótimas atuações, além da trilha sonora que é muito boa. Enfim, espero que consigam dar um final digno à série.
Vou me sentir enganado se transmitirem um final “meia boca”. Entretanto, o diretor da série, J.J. Abrahms, só cria boas histórias.
Fiquei chateado quando comprei os boxes de Lost. As caixas da primeira, da segunda e da terceira temporadas mantiveram os mesmos padrões de letra (fontes) nas luvas, mas na quarta e na quinta temporadas esses padrões foram alterados. “Isso irrita o colecionador, pois o design dos boxes fica muito diferente e feio. As lombadas não casam”, destacou Lúcio.

Não acompanha a série ou perdeu algum episódio?
É possível assistir online no Terra TV.

David indica o Blog do Jotacê para quem quiser iniciar uma coleção deste tipo. Jotacê disponibiliza dicas que valem ouro sobre DVD e Blue-ray, como o glossário abaixo:

Amaray (Keepcase): É um dos tipos de estojo para DVDs. É o estojo mais comum, porém o “verdadeiro” Amaray (rijo, sem buraco cata-pó) está ficando cada vez mais raro. Você pode ver uma descrição completa, em vídeo, dos tipos de embalagens para os DVDs e Blu-rays neste post, feito pelo Jotacê.

Amaray Dubois, Amaray Molengo, Amaury: Outro tipo de estojo para DVDs. A palavra Dubois se refere a empresa que desenvolve este tipo de estojo. É muito parecido com o Amaray, porém é feito de um material muito mais “molengo” e com aparência de pouca qualidade. Os estojos mais vagabundos, normalmente usados em “DVDs de Banca” são apelidados de Amaury.

AWM: Marca da AdvalTech, empresa da Suíça que produz estojos para a Arvato/Sonopress e que são encontrados nos animados da Disney. Ele tem quase a mesma rigidez do estojo Amaray (Keepcase) e uma trava central mais dura que o normal.

 

Box: É o nome dado a qualquer coletânea de DVDs ou Blu-rays com mais de dois discos e que venha envolvida por uma luva/caixa. Séries de TV são normalmente vendidas nesse formato.

Digiduplo: É um tipo de embalagem de DVD e Bluray que se assemelha muito com o Digipak. A única diferença entre os dois é que cada bandeja possui duas travas, o que faz com que os discos fiquem sobrepostos ao serem guardados.

Digipak: Tipo especial de embalagem para DVDs e Blu-rays. É aquela embalagem que abre como se fosse um “folder”, desdobrando-se as bandejas do estojo, como se abrisse um tapete. É uma das embalagens favoritas dos colecionadores, devido ao valor que dá à coleção.

Digipak de Blu-ray: É a embalagem Digipak especialmente feita para os Blu-rays. A principal diferença é o tamanho dos estojos, ligeiramente menor no caso do Digipak de Blu-ray.

Digipobre: É uma versão mais recente e “piorada” do Digipak. Tal qual ele os discos ficam dispostos em forma de folder, porém não em bandejas plásticas e sim em “bolsos” no próprio papelão da embalagem, deixando os discos meio soltos.

Digistak: Outro tipo de embalagem muito apreciada pelos colecionadores, o Digistak é produzido com a mesma tecnologia do Digipak. A única difrença entre os dois é a forma de abertura dos estojos, que no caso do Digistak, são abertos como num livro, sendo cada bandeja como se fossem as páginas.

 

Falsipak: Como o nome sugere, o Falsipak é um estojo que imita um Digipak, porém com uma qualidade muito inferior. Uma das principais reclamações dos proprietários de DVDs neste tipo de embalagem é que os discos se soltam muito facilmente das travas.

 

HD Case: É mais um tipo de estojo. É o estojo exclusivo dos Blu-rays. É menor que um estojo normal de DVD e (quase sempre) é feito em um acrílico/plástico translúcido azul.

HD Case Slim: É a versão mais fina do estojo HD Case dos Blu-rays. É quase tão odiado quanto a versão Slim dos DVDs.

 

Luva: É a sobrecapa que protege o estojo de um DVD ou Blu-ray. Além do aspecto proteção, a luva é um item muito bem quisto pelos colecionadores por agregar valor ao objeto da coleção.

 

Scanavo: É um tipo de estojo. Neste modelo, os DVDs ficam sobrepostos, presos em travas que literalmente TRAVAM os discos, ao ponto de curvar os DVDs ao tentar soltá-los. É um dos estojos mais odiados pelos colecionadores.

Slim: Falando em estojos odiados, não poderia faltar o Slim. É um estojo cuja lombada é reduzida em quase metade de seu tamanho normal. É tão reduzida que torna difícil enxergar o título do filme ao colocá-la na estante.

Snapcase: É um antigo tipo de estojo para DVDs que a Warner usava em suas edições Sell-thru. Consistia em uma embalagem de papelão presa a uma trava de plástico. Atualmetne não são mais fabricadas, devido ao alto custo e as reclamações dos clientes quanto a falta de resistência.

SteelBook: Segundo o Jotacê: “É o mais lindo tipo de estojo para DVDs e Blu-rays”. Consiste num estojo de metal rijo com um bandeja, tipo Digipak, que resulta num dos mais colecionáveis estojos da coleção de qualquer cinéfilo.

Comentários
  1. David
  2. Fernando

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.