Era casa, virou museu!

A história por trás das museus-casas brasileiros

Todo museu proporciona uma viagem ao passado, e com os museus-casas (residências onde viveram artistas, escritores, personalidades da história, entre outros ícones, e viraram museus) não é diferente.

Você consegue se imaginar onde viveu Guilherme de Almeida, Lasar Segall, D. Pedro II e Cora Coralina? Confira o roteiro e conheça casas-museus em diversas regiões do país.

São Paulo (Capital)

Museu Casa Guilherme de Almeida

(Foto: Tarcila Zonaro)

A casa onde Guilherme de Almeida morou entre os anos 1946 e 1969 com a esposa Baby e o filho virou museu. Após sua morte, a esposa vendeu a residência com todos os itens para o Governo do Estado de São Paulo, e em 1979 foi aberta como museu-casa.

Poeta, tradutor, dramaturgo, ensaísta e advogado, Guilherme de Almeida dominava a ciência do verso e da língua, o que o ajudou a ser um excelente tradutor. Entre as obras traduzidas estão as dos poetas Jean Paul Sartre (“Entre Quatro Paredes”), Charles Baudelaire (“Flores das Flores do Mal”), Sófocles (“Antígona”), Paul Géraldy (“Eu e Você”) e Rabindranath Tagore (“O Jardineiro” e “O Gitanjali”).

Entre seus valiosos pertences estão a primeira edição de “Ulysses”, de James Joyce; retratos dele e de sua esposa feitos por Lasar Segall, e a escultura “Sóror Dolorosa”, de Victor Brecheret, inspirada no “Livro de Horas de Sóror Dolorosa”, de Guilherme de Almeida, que possui uma conotação sacro-profana. O livro foi escrito em 1920, e a escultura criada em 1921 foi exposta na Semana de Arte de 1922.

De acordo com Cintia Andrade, educadora do museu, Guilherme de Almeida e sua esposa Baby mantiveram laços com importantes ícones das artes, como Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral e Anita Malfatti, o que explica as diversas obras desses artistas espalhadas pela casa.
Outro destaque são as mostras temporárias, como a que ocorre em julho com objetos relacionados à Revolução de 1932 e que pertenceram ao próprio Guilherme de Almeida – que lutou pelo ideal constitucionalista, e está sepultado no Obelisco do Ibirapuera ao lado de outros paulistanos ilustres, como Martins, Miragaia, Dráuzio e Camargo (que compoem a sigla MMDC), Ibrahim Nobre, General Ataliba Leonel e voluntários, como Ary Cajado de Oliveira e José Vicente Ferreira.

Guilherme de Almeida nasceu no dia 24 de julho de 1890, em Campinas (SP), e faleceu em 11 de julho de 1969, em São Paulo (SP).

Serviço:
Rua Macapá, 187 – Perdizes – São Paulo – SP
Horários: terça a domingo, das 10h às 18h. É necessário agendamento para grupos e escolas.
Tel.: (11) 3672-1391
www.casaguilhermedealmeida.org.br

***

Fundação Ema Klabin

(Foto: Tarcila Zonaro)

Ema Gordon Klabin foi a segunda filha dos imigrantes lituanos Fanny e Hessel Klabin, que ainda tiveram Eva e Mina. Seu pai, juntamente com os irmãos, foi um dos fundadores das indústrias de papel e celulose Klabin.

A casa de Ema Klabin foi construída especialmente para abrigar o acervo formado a partir do final dos anos 1940, quando passou a adquirir importantes obras de arte em diversas galerias europeias e americanas, além de comprar diversas peças de outros colecionadores brasileiros e de diplomatas estrangeiros de passagem pelo Brasil. Ela formou, no pós-guerra, um importante conjunto de telas da arte europeia, oriental e africana; arte brasileira, dos séculos 18 e 19 e arte moderna; mobiliário europeu antigo; pratarias; uma extensa biblioteca; arquivo fotográfico, entre outros. Durante a visita é possível conferir obras de Tarsila do Amaral, Lasar Segall, Candido Portinari, Di Cavalcanti, Victor Brecheret, além do holandês Frans Post – o primeiro europeu a retratar as paisagens brasileiras.

Preocupada com o destino de sua coleção, ela seguiu o exemplo de sua irmã Eva Klabin no Rio de Janeiro e criou a Fundação Ema Klabin em 1978, transformando sua casa em um museu aberto à visitação pública.

A colecionadora nasceu no dia 25 de janeiro de 1907, no Rio de Janeiro, e faleceu em 27 de janeiro de 1994, em São Paulo.

Serviço:
Rua Portugal, 43 – Jardim Europa – São Paulo – SP
Horários: terças, quintas e sextas, em três horários: 14h, 15h e 16h. Visitas de grupos escolares às quartas mediante agendamento. Crianças a partir de 12 anos. Ingresso: R$ 10 Estudantes e maiores de 60 anos: R$ 5. Gratuito para professores. É necessário agendar a visita: (11) 3062-5245
www.emaklabin.org.br

***

Museu Lasar Segall

(Foto: Tarcila Zonaro)

A viúva de Lasar Segall, Jenny Klabin Segall, também foi a idealizadora do museu. Apesar de não ter sido preservada a mobília e os objetos pessoais, está instalado na antiga residência e ateliê do artista, projetados em 1932 pelo arquiteto de origem russa Gregori Warchavchik.

Além das obras de Segall, o museu conta com atividades culturais, como programas de visitas monitoradas, cursos de gravura, fotografia e criação literária, exposições temporárias, além de projeção de cinema e ampla biblioteca especializada em artes do espetáculo e fotografia.

Lasar Segall nasceu no dia 21 de julho de 1891, em Vilna, Lituânia, e faleceu em 2 de agosto de 1957, em São Paulo (SP).

Serviço:
Rua Berta, 111 – Vila Mariana – São Paulo – SP
Horários: diariamente, das 11h às 19h. Fechado às terças. Entrada gratuita.
Tel.: (11) 2159-0400
www.museusegall.org.br

***

São Paulo (Interior)

Museu Casa de Portinari
Foi a residência do pintor Candido Portinari (1903-1962) em sua infância e juventude.
Praça Candido Portinari, nº 298 – Centro – Brodowski – SP
Horários: Fechado para restauro, com previsão de reabertura em 2014.
Tel.: (16) 3664-4284
www.museucasadeportinari.org.br

Museu Mazzaropi
Local onde Amacio Mazzaropi (1912-1981) montou seu primeiro estúdio de cinema.
Estrada Municipal Amácio Mazzaropi, 249 – Taubaté – SP
Horários: terça a domingo, das 8h30 às 12h30. Bilheteria fecha às 12h. Ingresso: R$ 10.
Agendamento de grupos por e-mail: visite@museumazzaropi.com.br
Tel.: (012) 3634-3447
www.museumazzaropi.org.br

***

Rio de Janeiro

Museu Imperial
Foi a residência de veraneio de D. Pedro II (1825-1892), segundo imperador do Brasil, e guarda mais de 25 mil documentos originais.
Rua da Imperatriz, 220 – Centro – Petrópolis – RJ
Horários: terça a domingo, das 11h às 18h. Ingresso: R$ 8. Professores, estudantes e maiores de 60 anos: R$ 4.
Tels: (24) 2245-5550 | 2245-5560
www.museuimperial.gov.br

Fundação Eva Klabin
Foi a residência da colecionadora Eva Klabin (1903-1991), irmã mais velha de Ema Gordon Klabin, e abriga um dos mais importantes acervos de arte clássica dos museus brasileiros, contando com mais de duas mil peças que cobrem quase 50 séculos, do Egito Antigo ao Impressionismo.
Av. Epitácio Pessoa, 2480 – Lagoa – RJ
Horários: terça a sexta, com visitas guiadas às 14h30 e 16h. Ingresso: R$ 10. Estudantes e maiores de 60 anos: R$ 5.
Visitas escolares: de segunda a sexta – manhã: das 9h às 12h ou à tarde: das 14h às 17h. Estudantes de escolas públicas estão isentos de pagamento e de escolas particulares pagam R$ 5 (professores acompanhantes do grupo estão isentos de pagamento). Gratuidade: crianças até 10 anos acompanhadas pelos pais.
Tel.: (21) 3202-8550
www.evaklabin.org.br

Fundação Casa de Rui Barbosa
A Casa de Rui Barbosa está localizada no bairro preferido pela aristocracia no século 19 e primeiras décadas do século 20. Em estilo neoclássico, a casa foi residência de Rui Barbosa (1849-1923) e sua família. Um ano após sua morte, em 1924, o governo comprou o prédio, inclusive a biblioteca e o arquivo do escritor. Quatro anos mais tarde, adquiriu também o mobiliário. Em 13 de agosto de 1930 o presidente Washington Luís inaugurava-a como o primeiro museu-casa do Brasil.
Rua São Clemente, 134 – Botafogo – RJ
Horários: terça a sexta, das 10 às 18h. Na última terça-feira do mês aberto até às 20h. Sábados, domingos e feriados, das 14 às 18h. Ingresso: R$ 2. Grátis para menores de 10 anos e maiores de 65 anos. Entrada gratuita aos domingos.
Tel.: (21) 3289-4600
www.casaruibarbosa.gov.br

Museu Casa da Hera
Foi a residência de Eufrásia Teixeira Leite (1850- 1930), amiga íntima da Princesa Isabel e filha de Joaquim José Teixeira Leite, um dos mais importantes comissários de café da região.
Rua Dr. Fernandes Júnior, n° 160 – Centro – Vassouras – RJ
Horários: terça a sexta, das 10h às 17h. Sábados, domingos e feriados, das 13h às 17h. Entrada gratuita.
Tels.: (24) 2471-2930 | 2471-2961
casadahera.wordpress.com

Solar Grandjean de Montigny (Museu Universitário)
Foi a residência do arquiteto francês Auguste Henri Victor Grandjean de Montigny (1776-1850), um dos mais importantes exemplos da adaptação da arquitetura neoclássica ao clima tropical.
Rua Marquês de São Vicente, 225 – Gávea – RJ
Horários: Fechado para obras de restauração/conservação. Previsão para o retorno das atividades culturais em 2013. Atendimento: solargm@puc-rio.br
www.puc-rio.br/sobrepuc/depto/solar

Museu Casa de Benjamin Constant
Em janeiro de 1890, Benjamin Constant (1833-1891) mudou-se com a família para Santa Teresa, ocupando o imóvel que foi construído nos anos 1860 por Antônio Moreira da Costa Santos. O museu foi criado em 18 de outubro de 1982, pela então Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional / Fundação Pró-Memória, com a missão de reconstituir o ambiente familiar e o contexto sócio-cultural em que viveu o Fundador da República.
Rua Monte Alegre, 255 – Santa Teresa – RJ
Horários: quarta a sexta, das 10h às 17h. Sábados, domingos e feriados (exceto religiosos), das 13h às 17h. As visitas em grupo devem ser previamente agendadas. Ingresso: R$ 2. Maiores de 65 anos, alunos uniformizados e crianças até 10 anos não pagam. Estudantes: R$ 1. Entrada gratuita aos domingos.
Tel: (21) 3970-1168
http://museubenjaminconstant.blogspot.com.br

Museus Castro Maya
Residências de Raymundo Ottoni de Castro Maya (1894-1968), o Museu da Chácara do Céu, em Santa Teresa; e o Museu do Açude, no Alto da Boa Vista. É possível conferir as coleções Castro Maya, formadas entre os anos 1920 e 1968. São aproximadamente 20 mil itens, entre peças, livros, documentos, pinturas, desenhos e gravuras, como de Candido Portinari, Di Cavalcanti, Volpi, entre outros artistas.
• Museu da Chácara do Céu:
Rua Murtinho Nobre, 93 – Santa Teresa – RJ
Horários: Diariamente, exceto às terças, das 12h às 16h30. Ingresso: R$ 2. Menores de 12 anos, maiores de 65 anos, grupos escolares, professores e guias turísticos em serviço, membros do ICOM e da Associação dos Amigos do Museu não pagam. Entrada gratuita às quartas.
Tel: (21) 3970-1126
E-mail: chacara@museuscastromaya.com.br
www.museuscastromaya.com.br
• Museu do Açude:
Estrada do Açude,764 – Alto da Boa Vista – RJ
Horários: Diariamente, exceto às terças, das 11h às 16h30. Ingresso: R$ 2. Menores de 12 anos, maiores de 65 anos, grupos escolares, professores e guias turísticos em serviço, membros do ICOM e da Associação dos Amigos do Museu não pagam. Entrada gratuita às quintas.
Tel: (21) 3433-4990
E-mail: acude@museuscastromaya.com.br
www.museuscastromaya.com.br

***

Minas Gerais

Casa de Chico Xavier – Memórias e Lembranças
A casa que foi de Chico Xavier (1910-2002) até sua morte abriga diversos objetos, como a sua coleção de bonés, perucas, três dentaduras, camisas penduradas, fotos de familiares e santos, a antiga máquina de escrever, os livros prediletos, diversas fotos, entre outros itens.
Rua Dom Pedro I, 165 – Parque das Américas – Uberaba – MG
Horários: segunda a sexta, das 8h às 11h e das 13h às 17h30. Sábados, das 8h às 12h. Entrada gratuita.
Tel.: (34) 3336-5967
www.chicoxavieruberaba.com.br

***

Espírito Santo

Museu Solar Monjardim
Foi a residência da família do Barão de Monjardim. O casarão, construído no final do século 17 é hoje propriedade da Universidade Federal do Espírito Santo. Possui um acervo de mais de duas mil peças, entre mobílias, sacras e utensílios domésticos.
Avenida Paulino Müller, s/ nº, Jucutuquara – ES
Horários: terça a sexta, das 9h30 às 16h30. Sábados, domingos e feriados, das 13h às 17h.
Tel.: (27) 3223-6609
E-mail: msm@museus.gov.br
www.sefaz.es.gov.br/painel/museu01.htm

***

Pernambuco

Casa-Museu Magdalena e Gilberto Freyre
Reconhecida como casa-grande original do século 19 e reformada em 1881, foi a residência e abriga o conjunto de objetos colecionados, guardados e ordenados pela família do escritor Gilberto Freyre (1900-1987).
Rua Dois Irmãos, 320 – Apipucos – Recife – PE
Horários: segunda a sexta, das 9 às 17h. Roteiro de visita especial para escolas com ações de caráter pedagógico podem ser agendadas via e-mail: visitas@fgf.org.br
Tel.: (81) 3441-2883
www.fgf.org.br

Casa Museu Mestre Vitalino
A residência construída em 1959 pelo próprio Vitalino Pereira dos Santos (1909-1963) – o Mestre Vitalino – maior nome da arte figurativa do Brasil, virou museu em 1971 e é administrado e protegido pelo seu filho, Severino Vitalino. O espaço conserva as principais obras de Vitalino, além de móveis e utensílios que pertenceram ao artesão.
Rua Mestre Vitalino, 281 – Alto do Moura – Caruaru – PE
Horários: segunda a sábado, das 8h às 17h30. Domingo, das 8h às 12h. Ingresso: R$ 1.
Tel.: (81) 3725-0805
www.casadomestrevitalino.com.br

***

Goiás

Museu Casa de Cora Coralina
A casa que pertenceu à família da poetisa e doceira Cora Coralina (1889-1985) – pseudônimo de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas – abriga um museu que preserva a sua própria história. Os itens foram mantidos, inclusive o quarto com a cama simples e os vestidos pendurados na parede. Na cozinha, é possível conferir o fogão a lenha e o tacho de cobre usado parar preparar os doces cristalizados.
Rua Dom Cândido, 20 – Centro – Cidade de Goiás – GO
Horários: terça a sábado, das 9h às 16h45. Domingo, das 9h às 13h. Ingresso: R$ 5.
Tel.: (62) 3371-1990
www.eravirtual.org/cora_br

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.